Notícias

A ressincronização em bovinos de corte será um dos temas abordados no Simpósio de Reprodução Bovina do Tocantins

25/08/2017 19h52

Divulgação/Internet Professor Doutor Pietro Baruselli

Entre os dias 14 e 15 de setembro, em Palmas no auditório do Colégio São Francisco, acontecerá o Simpósio de Reprodução Bovina – SRBTO, que conta com palestrantes de renome nacional e internacional, e tem como objetivo promover o crescimento técnico dos profissionais da área de produção e reprodução bovina no Tocantins.

Uma das palestras será a do professor da Universidade de São Paulo-USP, Dr. Pietro Baruselli, que trará o tema: Programas de ressincronização em tempo fixo em bovinos de corte. Essa é uma técnica ainda pouco utilizada no Brasil, mas que surte muito efeito. Ela consiste no uso do protocolo de Inseminação Artificial em Tempo Fixo - IATF, associado ao diagnóstico precoce de gestação e à subsequente ressincronização das fêmeas vazias, ou seja, é a repetição do protocolo de IATF nas fêmeas que não emprenharam na primeira IATF.

Segundo o professor, Dr. Pietro Baruselli, com a utilização da IATF e da ressincronização é possível ter até 85% de vacas prenhas, “desta forma o produtor consegue ter um melhor controle zootécnico; seleção e o melhoramento genético; facilita a organização dos manejos; possibilita melhor retorno financeiro entre outros benefícios”, afirma Baruselli.

Inseminar um grande número de vacas em um curto espaço de tempo, esse é o objetivo da IATF. Essa técnica possibilita o aumento no número de bezerros, acelera o melhoramento genético, reduzir intervalo entre partos, padroniza os lotes e consequentemente os produtores obtém melhores preços nas vendas. Mas as vezes só a utilização dessa técnica não é suficiente, a partir daí entra a ressincronização em tempo fixo.

O sistema de reprodução no Brasil, atualmente é dividido da seguinte forma: 90% por monta natural e apenas 10% por inseminação artificial. E dentro desses 10% cerca de 80% usam a IATF, número ainda muito baixo, segundo o professor Pietro, “a utilização da inseminação e da ressincronização possibilita que o produtor tenha uma redução de custos significativa, pois economiza na compra de touros de repasse e na manutenção do mesmo, além disso, economiza no custo de oportunidade”, afirma Dr. Pietro.

Potencial do Brasil
Dados revelam que o Brasil é o primeiro exportador de carne in natura, seguido pela Austrália e Estados Unidos. O rebanho bovino no Brasil, em 2011, atingiu 180 milhões de cabeças, sendo que desse total, 41% é representado por fêmeas acima de 2 anos (aproximadamente 74 milhões). Além disso, é importante destacar que, 80% são constituído por bovinos de corte com origem, predominantemente, Bos indicus (ANUALPEC, 2012).

Ou seja, o nosso país cada vez mais precisa aprimorar suas técnicas de produção e reprodução bovina para atender um mercado ainda muito amplo e em constante crescimento. Por essa razão, Pedro Oliveira, um dos organizadores do evento e coordenador da MSD Saúde Animal no estado do Tocantins, acredita que o simpósio possibilitará um leque muito amplo de novas possibilidades, “será um momento de crescimento profissional para produtores, pesquisadores e estudantes, acredito que a partir desse evento surgirão novas parcerias e oportunidades na área de produção e reprodução bovina”, afirma Oliveira.

Realização:
Clivar Reprodução Bovina e MSD Saúde Animal.

Assessoria de Comunicação SRB/TO
Sarah Pires - Jornalista MTE - 935/TO
(63) 98501-8498

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.